O “(re)aportuguesamento” através da cultura popular: do séc. XIX aos nossos dias

  • José Carlos Meneses Rodrigues ISCE Douro (Penafiel)

Resumo

A motivação para este estudo nasceu do interesse em clarificar o desempenho do SPN (Secretariado para a Propaganda Nacional) e do SNI (Secretariado Nacional de Informação) na concretização da “Política do Espírito” através da mitificação da paisagem e dos valores culturais adulterados pelas implicações do nacionalismo. O objetivo principal consistiu na indagação da evolução da cultural popular, via etnografia e folclore, do séc. XIX aos nossos dias, servindo-nos de uma metodologia qualitativa mediante a leitura de especialistas em bibliografia física e digital. Estabelecemos um plano de trabalho com seis tópicos, destacando-se o “reaportuguesamento” no ideário estado-novista. Concluímos que a cultura popular – no âmbito do património tangível e intangível - tem servido, nos últimos 150 anos, os regimes políticos de forma díspar, alcançando, nos nossos dias, um patamar de transversalidade social.

Biografia Autor

José Carlos Meneses Rodrigues, ISCE Douro (Penafiel)

-Licencitura em História (FLUP)

- Doutorameto em História da Arte (FLUP)

- Docente na Escola Superior de Tecnologias de Fafe (tempo integral) - licenciatura em Turismo

- Docente na Escola Superior de Educação de Fafe (tempo parcial) - licenciaturas em Educação Básica, Educação Social e Educação Física e Desporto; Mestrado e PE e 1-º CEB

- Investigador no CEPESE (Centro Estudos População conomia e Sociedade - Univ. Porto) e no CEGOT (Centro Estudos Geografia Ordenamento Território - Univ. Coimbra)

Referências

ALVES, Vera Marques (2003). “Capítulo 8. O SNI e os ranchos folclóricos”. In Salwa El-Shawan Castelo-Branco e Jorge Freitas Branco (Dir.). Vozes do povo. A folclorização em Portugal [online]. Lisboa: Etnográfica Press, 190-206. Disponível em: <https://orcid.org/0000-0002-5050-304X> (consultado em 10-08-2019).

ALVES, Vera Marques (2007). “A poesia dos simples”: arte popular e nação no Estado Novo”. Etnográfica (1), 63-89. Lisboa: Centro de Estudos de Antropologia Social.

BAIÃO, Joana (2011). Jorge Custódio: “Renascença artística” e práticas de conservação e restauro arquitetónico em Portugal, durante a 1.ª república. Tese de doutoramento em arquitetura. Universidade de Évora [texto policopiado].

CUSTÓDIO, Jorge Manuel Raimundo (2008). “Renascença” artística e práticas de conservação e restauro arquitetónico em Portugal, durante a 1.ª República, Vol. 1, Tomo 1. Tese de doutoramento. Évora: Universidade de Évora.

BRANCO, Jorge Freitas (1999). “A fluidez dos limites: discurso etnográfico e movimento folclórico em Portugal.” Etnográfica, Vol. III (1), p. 23-48.

CUNHA, Paulo (2003). Ferro contra Ferro. Um “Ato de Contrição” do Poder no Estado Novo. Academia.edu. Disponível em: <https://www.academia.edu/2240861/Ferro_contra_Ferro._Um_Acto_de_Contrição_do_Poder_no_Estado_Novo_2003> (consultado em 12.05.2010).

CUNHA, Paulo (2010). “As narrativas históricas no cinema português durante o Estado Novo (1932-74)”. O Olho da História, n. 14. Salvador (BA).

DOUTRINAÇÃO (A). Estética de A. Garrett. A Nostalgia Clássica de um Romântico, p. 24-56. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/659/9/20622_ulsd_re525_TD_A_DOUTRI_EST_DE_ALMEIDA_GARRETT24_56.pdf> (consultado em 15.09.2019).

FRANÇA, José Augusto (1992). Os Anos 20 em Portugal. Estudo de Factos Socioculturais. Lisboa: Editorial Presença.

FERREIRA, Claudino Cristóvão (2006). A Expo 98 e os imaginários do Portugal contemporâneo. Cultura, celebração e políticas de representação. Tese de doutoramento. Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

FERREIRA, Sílvia (2017). “O Pavilhão do Mar”: a Nau Portugal da Exposição do Mundo Português (1940) ou a arte da talha ao serviço da cenografia política”. Cadernos do Arquivo Municipal. ISSN 2183-3176. 2ª Série Nº 7 (janeiro - junho), p. 257 – 288.

LEAL, João (2000). Etnografias Portuguesas (1870-1970). Cultura Popular e Identidade Nacional. Lisboa: Publicações D. Quixote.

PAULO, Heloísa (1994). “Vida e arte do povo português. Uma visão da sociedade segundo a propaganda oficial do Estado Novo.” Revista de História das Ideias, vol. 16, 105-134. Coimbra: Instituto de História e Teoria das Ideias. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316.2/41976> (consultado em 15-09-2019).

PESTANA, Maria do Rosário (2003). “Capítulo 28. Manuel A. de Almeida Campos (1890-1956). Promotor da folclorização em Viseu”. In Salwa El-Shawan Castelo-Branco e Jorge Freitas Branco (Dir.). Vozes do povo. A folclorização em Portugal. Lisboa: Etnográfica Press, p. 441-446.

RAMOS, Rui (1994). “A segunda fundação (1890-1926)”. In José Mattoso (Dir.). História de Portugal, vol. 6. Lisboa: Editorial Estampa, Lda. e Autores, p. 401-432.

RIBEIRO, Carla (2012). “Cultura Popular em Portugal: de A. Garrett a A. Ferro”. In I Congresso Anual de História Contemporânea. Lisboa: Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

RIBEIRO, Carla (2018). “António Ferro e a propaganda de um certo Portugal: Berna e Roma, 1950-1956”. Genius Loci – Lugares e Significados | Places and Meanings, vol. 1. FLUP: CITCEM, p. 484-495. Disponível em: <https://www.academia.edu/36568730/ANT%C3%93NIO_FERRO_E_A_PROPAGANDA_DE_UM_CERTO_PORTUGAL_BERNA_E_ROMA_195001956> (consultado em 22.12.2020).

SAMPAIO, Joaquim (2014). “Mitificação e paisagem simbólica: o caso do Estado Novo”. In Trajes de Portugal. Disponível em: < https://trajesdeportugal.blogspot.com/2014/12/mitificacao-e-paisagem-simbolica-o-caso.html> (consultado em 15.09.2019).

Ó, Jorge Ramos do (1992). Salazarismo e Cultura. In “Nova História de Portugal”, dir. Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques, vol. XII “Portugal e o Estado Novo (1930-1960), coord. Fernando Rosas, Lisboa, Presença, p. 391-454.

SILVA, Manuel Deniz (2003). “Capítulo 12. Usos e abusos do folclore musical pela Mocidade Portuguesa ». In Salwa El-Shawan Castelo-Branco e Jorge Freitas Branco (Dir.). Vozes do povo. A folclorização em Portugal, p. 254-263. Disponível em: <https://books.openedition.org/etnograficapress/575> (consultado em 25.09.2019).

VASCONCELOS, João (2001). “Estéticas e políticas do folclore”. Análise Social, vol. XXXVI (158-159), 399-433. Disponível em:

<http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1218726664Q6sKS3ko1Pj02TZ0.pdf> (consultado em 15.09.2019).

VICTORINO, José Guilherme (2015). “Do Futurismo ao Tradicionalismo: Notas sobre o percurso singular de António Ferro”. In Seminário: António Ferro.120 Anos. Atas, p. 125-153. Disponível em: <https://repositorio.ual.pt/bitstream/11144/3009/1/Ant%C3%B3nio%20Ferro%20%283%29.pdf> (consultado em 15.09.2019).

Publicado
2021-06-25