Escrita femina e engajamento social no sul do Brasil: as irmãs Melo e luta pelos desvalidos

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Luciana Gepiak

Resumo

Ao longo do século XIX, a escrita feminina teve uma etapa de ampla difusão ao longo do território brasileiro. Enfrentando todo o tipo de obstáculos, essas mulheres escritoras promoveram atividades literárias diversificadas, servindo-lhes a imprensa como veículo essencial de divulgação de suas produções. Tal ação no sul do Brasil teve o destaque das irmãs Revocata Heloísa de Melo e Julieta de Melo Monteiro, as quais, em meio às lides literárias e jornalísticas, desempenharam importantes papéis na sustentação de bandeiras de luta por causas sociais e políticas. Esta pesquisa tem por objetivo abordar a ação social das autoras junto ao Clube Beneficente de Senhoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Gepiak, L. (2021). Escrita femina e engajamento social no sul do Brasil: as irmãs Melo e luta pelos desvalidos. Herança - Revista De História, Património E Cultura, 5(1). https://doi.org/10.29073/heranca.v5i1.480
Secção
Artigos

Referências

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

A influência do jornalismo. In: Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. p. 99-120.

A economia das trocas simbólicas. 6.ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BRANCO, Lúcia Castelo. O que é escrita feminina. São Paulo: Brasiliense, 1991.

COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico de escritoras brasileiras. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

COSTA, Carlos. A revista no Brasil do século XIX: a história da formação das publicações, do leitor e da identidade do brasileiro. São Paulo: Alameda, 2012.

FLORES, Hilda Agnes Hübner. Dicionário de mulheres. Porto Alegre: Nova Dimensão, 1999.

Dicionário de mulheres. 2.ed. Florianópolis: Editora Mulheres, 2011.

LAGES, João Marinônio Carneiro. O Clube Beneficente de Senhoras. In: AGORA. Rio Grande, 15 jul. 2011, ano 36, nº 9982, p. 4; 22 jul. 2011, ano 36, nº. 9988, p. 4; 25 jul. 2011, ano 36, nº. 9990, p. 4; 29 jul. 2011, ano 36, nº 9994, p. 6; 1 ago. 2011, ano 36, nº. 9996, p. 4).

LAMAS, Rosmarie Wank-Nolasco. Mulheres para além do seu tempo. Venda Nova: Bertrand, 1995.

LOUSADA, Isabel. Imprensa: amplificador da voz feminina. In: Percursos, conquistas e derrotas das mulheres na 1.ª República. CML, 2010, p. 41-48.

Carolina: por entre os itinerários da memória e da ciência. In: Gaudium Sciendi – Revista da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, n. 2, jul. 2012, p. 108-117.

MINGOCHO, Maria Teresa Delgado. Nota prévia. In: Actas do Colóquio Escrita de mulheres. Coimbra, Faculdade de Letras – Universidade de Coimbra, 2005. p. 7-8.

MUZART, Zahidé Lupinacci. A ascensão das mulheres no romance. In: ARRUDA, Aline Alves et al. (orgs.). A escritura no feminino – aproximações. Florianópolis: Editora Mulheres, 2011. p. 17-27.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2015.

PRADA, Cecília. A pena e o espartilho. 2.ed. São Leopoldo: Editora UNISINOS, 2010.

PRIORE, Mary del. Histórias da gente brasileira. São Paulo: Leya, 2016. v. 2.

SCHMIDT, Rita Terezinha. Revocata Heloísa de Melo. In: MUZART, Zahidé Lupinacci (Org.). Escritoras brasileiras do século XIX. 2.ed. Florianópolis: Editora Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000. p. 892-902.

SCHUMAHER, Schuma; BRAZIL, Érico Vital. Dicionário de mulheres do Brasil: de 1500 até a atualidade. 2.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

SOARES, Pedro Maia. Feminismo no Rio Grande do Sul – primeiros apontamentos (1835-1945). In: BRUSCHINI, Maria Cristina; ROSEMBERG, Fúlvia (Org.). Vivência: história, sexualidade e imagens femininas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Brasiliense, 1980. p. 121-150.