LITERATURAS DA AMÉFRICA LADINA: UM PERCURSO PELAS LITERATURAS DE AUTORIA NEGRA LATINO-AMERICANA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Liliam Ramos
https://orcid.org/0000-0002-1963-5917

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão panorâmica das literaturas de autoria negra latino-americana publicadas nos séculos XIX, XX e XXI com base no conceito de amefricanidade idealizado pela antropóloga brasileira Lelia González na intenção de apresentar os diálogos afro-latino-americanos propostos pelas populações em diáspora forçada no processo colonial da América Latina de línguas francesa, espanhola e portuguesa. Começando com a pergunta elaborada pelo pesquisador Jerome Branche:  quando, onde, por que e sob quais condições a escravidão e a opressão racial produziram uma consciência negra, serão apresentados, a partir da análise de romances e poemas, os conceitos de malungaje (Branche) e quilombismo (Nascimento) que, em conjunto com amefricanidade (González), confirmam redes de identificação afro-latino-americana, cujos diálogos têm vindo à tona com grande força nas universidades brasileiras devido ao ingresso e às reivindicações de alunas e alunos negras e negros, principalmente pelo sistema de cotas. Pretende-se, com esta reflexão, auxiliar o trabalho de professores universitários na formação de professores da educação básica brasileira que, através da obrigatoriedade das leis 10.639/03 e 11.645/11, devem trabalhar em sala de aula as culturas africanas, afro-brasileiras e indígenas, contribuindo, assim, para a formação de cidadãos conscientes das desigualdades sociais que o projeto colonial impôs às populações não-europeias da América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Ramos, L. (2022). LITERATURAS DA AMÉFRICA LADINA: UM PERCURSO PELAS LITERATURAS DE AUTORIA NEGRA LATINO-AMERICANA. Herança - Revista De História, Património E Cultura, 5(2), 119–140. https://doi.org/10.29073/heranca.v5i2.565
Secção
Artigos

Referências

Artel, J. (2010) [1984]. Poemas sin odio ni temores. In: Tambores en la noche. Bogotá: Biblioteca de Literatura Afrocolombiana.

Bernd, Z. (1988). Negritude e literatura na América Latina. Porto Alegre: Mercado Aberto.

Branche, J. (2013). Hacia una poética de la diáspora africana. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir, 165-188.

Brindis de Salas, V. (2020). É verdade, sim senhor. In: Pregão de Marimorena. Tradução de Eliane Marques. Porto Alegre: Figura de Linguagem.

Cardenas, T. (2020). Memória de mim. Tradução de Liliam Ramos. Porto Alegre: Figura de Linguagem.

Chamoiseau, P., Bernabé, J. & Confiant, R (2001) [1990]. Tradução de Eurídice Figueiredo. Elogio da Crioulidade. In: Antologia de textos fundadores do comparatismo literário interamericano.

Césaire, A. (2012) [1939]. Diário de um retorno ao país natal. Tradução de Lilian Pestre de Almeida. São Paulo: Edusp.

Césaire, A. (2020) [1950]. Discurso sobre o colonialismo. Tradução de Claudio Willer. São Paulo: Veneta.

Depestre, R. (1985). Buenos días y adiós a la negritud. Tradução de Ofelia Gronlier. Havana: Casa de las Américas.

Duncan, Q. (2019). Afrorrealismo: uma nova dimensão da literatura afro-latino-americana. Tradução de Liliam Ramos. Deslocamentos culturais e suas formas de representação. Boa Vista: Editora da UFRR.

Figueiredo, E. (2020). Posfácio da tradução de Senhores do orvalho. In: ROUMAIN, J. Senhores do orvalho. Tradução de Monica Stahel. São Paulo: Carambaia.

Figueiredo, E., et al. (2005). Negritude, Negrismo e Literaturas afro-descendentes. Conceitos de literatura e cultura, 313-340.

Figueiredo, E. (1998). Construção de identidades pós-coloniais na literatura antilhana. Niterói: EDUFF.

González, L. (1988). A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, 92/93, pp. 69-82.

González, G. (2020). Zambeze. Tradução de Katherine Castrillo. Porto Alegre: Escola de Poesia.

Guillén, N. (1930). Coplas Americanas.

Henao, D. (2004). Los hijos de Changó, la epopeya de la negritud en América. Texto introdutório. In: ZAPATA OLIVELLA, M. Changó, el gran putas. Bogotá: Biblioteca de Literatura Afrocolombiana.

Herrera, G. (2020). Cabeças de Ifé. Tradução de Eliane Marques. Porto Alegre: Escola de Poesia.

Hughes, L. (1998) [1930]. Eu também sou América. Tradução de Sylvio Back. Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 15.fev.1998.

Lopes, N. (2013). Negros en el Plata. In: Poétnica. Rio de Janeiro: Mórula.

Manzano, J. F. (2015) [1835]. Autobiografia do poeta-escravo Juan Francisco Manzano. Organização, tradução e notas de Alex Castro. Rio de Janeiro: Hedra.

Mendes, R. (2019). Pedagogias da cimarronaje: a contribuição das cosmogonias e cosmovisões africanas e afrodescendentes para a crítica literária e literaturas (afro)latino-americanas. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação da Universidade de Pernambuco.

Nascimento, A. (1978). O quilombismo. Rio de Janeiro: Vozes.

Oliveira, L. (2014). Negrismo: percursos e configurações em romances brasileiros do século XX (1928-1984). Belo Horizonte: Mazza Edições.

Oviedo, J. (2012). Historia de la literatura hispanoamericana. Madrid: Alianza Editorial S.A. 4v.

Quijano, A. (2005). Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Clacso.

Rama, A. (1985). A cidade das letras. Tradução de Emir Sader. São Paulo: Brasiliense.

Reis, M. (2018) [1859]. Úrsula. Porto Alegre: Figura de Linguagem.

Restrepo, E. (2018). Decolonizar la universidad. Investigación cualitativa emergente: reflexiones y casos. Sincelejo: Cecar.

Roumain, J. (2020). Senhores do orvalho. Tradução de Monica Stahel. São Paulo: Carambaia.

Santa Cruz, N. (1971). América Latina. In: Décimas y poesia. Lima.

Santos-Febres, M. (2020). Conjuro da Guiné. Tradução de Mariangela Andrade. Porto Alegre: Escola de Poesia.

Santos-Febres, M. (2009). Fe en disfraz. Madrid: Penguim Random House.

Silva, L. (2018). Decolonizando saberes: conceitos de literatura latino-americana de autoria negra. In: TETTAMANZY, A.; SANTOS, C.M. (orgs). Lugares de fala, lugares de escuta nas literaturas africanas, ameríndias e brasileira. Porto Alegre: Zouk.

Silva, L. (2020). Estrategias cimarronas para narrar a negritude no século XIX em Autobiografía de Juan Francisco Manzano (Cuba, 1835) e Úrsula (Brasil, 1859). Cadernos de Literatura Comparada, 43, 135-153.

Silveira, O. (1981). Alô. In: Roteiro dos Tantãs. Porto Alegre: Edição do Autor.

Tillis, A. (2012). Manuel Zapata Olivella e o “escurecimento” da literatura latino-americana. Tradução de José Paiva dos Santos. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Trindade, S. (1961). Nicolás Guillén. In: Cantares ao meu povo. São Paulo: Fulgor.

Trindade, S. (1961). Eu também sou amigo da América. In: Cantares ao meu povo. São Paulo: Fulgor.

Zapata, M. (1984). Changó, el gran putas. Bogotá: Editorial Oveja Negra.