https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/issue/feed Herança - Revista de História, Património e Cultura 2020-01-31T01:17:17+00:00 Ponteditora, Sociedade Unipessoal Lda. geral@ponteditora.org Open Journal Systems <p>Revista dedicada ao estudo da História, Património e Cultura. Abrange várias vertentes do conhecimento, desigandamente: História, Arqueologia, Arquitetura, História da Arte, Teoria da Arte, Museologia e Museografia, Estudos Curatoriais, Inventário e salvaguarda do Património, Ciências do Património, Conservação e Restauro, Gestão e Estudos da Cultura e Turismo Cultural. Dissemina estudos de perspetiva alargada e pluridisciplinares, que se destaquem pela sua qualidade e originalidade. Os artigos científicos são publicados em Português, para a CPLP e Diáspora de língua portuguesa no mundo.</p> https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/207 Revista Herança 2020-01-31T01:15:44+00:00 Ponte editora geral@ponteditora.org <p>Revista completa.</p> 2020-01-30T23:24:20+00:00 Direitos de Autor (c) 2020 Herança https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/206 Editorial 2020-01-31T01:15:21+00:00 Isabel Cruz Lousada iclousada@gmail.com <p>Editorial V. 2 N. 2</p> 2020-01-30T23:26:28+00:00 Direitos de Autor (c) 2020 Herança https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/174 Inventário dos 53 fornos de pão comunitários de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro (2014-2017) - Os fornos das “inverneiras” – parte 2 2020-01-31T01:16:54+00:00 Diana Alexandra Simões Carvalho dianacarvalho.pt@gmail.com <p><strong>Resumo:</strong></p> <p>Este segmento do inventário dos 53 fornos de pão comunitários de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro é dedicado aos 21 fornos de pão situados nas "inverneiras"(700-1000mts) de Castro Laboreiro. A contagem inclui os dois fornos demolidos durante o século XX, e também um forno arruinado, dos quais ainda existem memórias e/ou referências documentais.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Inventário, Fornos de Pão, Castro Laboreiro, Lamas de Mouro, Melgaço, Parque Nacional da Peneda-Gerês.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>Abstract<br></strong>The present segment of the inventory of the 53 communal bread ovens of Castro Laboreiro and Lamas de Mou is dedicated to the 21 bread ovens located at the "inverneiras"(700-1000mts) at Castro Laboreiro. The inventory also includes the two bread ovens that were demolished during the twentieth century, and also a ruined oven, of which there are still memories and/or documental references.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>Key-words: </strong>Inventory, Bread Ovens, Castro Laboreiro, Lamas de Mouro, Melgaço, Parque Nacional da Peneda-Gerês.</p> 2020-01-30T23:15:40+00:00 Direitos de Autor (c) 2020 Herança https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/159 Património musical de Évora no início de Oitocentos: um Miserere de Francisco Ignácio Moreira e possíveis contextos interpretativos 2020-01-31T01:16:07+00:00 Rita Faleiro ritapfaleiro@gmail.com <p>No Arquivo Musical da Sé de Évora, existe um nome que se assume como um dos principais reformuladores de obras musicais aí presentes: fala-se de Francisco Ignácio Moreira, entre outros mestre de capela, mestre de solfa e de instrumentos. Neste arquivo, surge-nos pelas suas mãos, um <em>Miserere</em> composto no ano de 1805, e constantemente reformulado: em 1811 é-lhe acrescentado um clarinete e em 1814 um <em>tercetto</em> sobre o 16º verso.</p> <p>A presença de datas nestes manuscritos pode tornar-se indicadora de momentos chave na vida da cidade. De facto, 1814 é um ano particularmente activo na cidade no que diz respeito a performances musicais, pelo que o exercício de enquadrar esta obra em possíveis espaços interpretativos se torna relevante para uma melhor compreensão da relação entre património material, imaterial e agentes envolvidos.</p> <p>Pretende-se assim inserir esta obra no seu contexto geral, articulando-a com espaços e eventos decorridos em Évora ao longo dos nove anos em que esta peça foi sendo modificada.</p> 2020-01-30T23:19:06+00:00 Direitos de Autor (c) 2020 Herança https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/161 Património musical na Catedral de Angra no século XVII: três livros de polifonia vocal sacra e o seu possível contexto 2020-01-31T01:16:31+00:00 Luís Henriques luiscfhenriques@gmail.com <p>A Catedral de Angra foi, desde a sua fundação em 1534, um importante centro musical na ilha Terceira e no arquipélago dos Açores. Embora a sua atividade musical não seja conhecida em detalhe, várias referências documentais sugerem que esta seria pelo menos próxima das catedrais do continente português. Um dos testemunhos documentais é a existência na Catedral de três livros de coro impressos de polifonia vocal sacra de dois dos mais conhecidos compositores portugueses da primeira metade do século XVII: Duarte Lobo e Fr. Manuel Cardoso. O período em que estes livros foram impressos (1605, 1613 e 1621) foi marcado por agitação na cidade de Angra durante a ocupação espanhola. Simultaneamente, a construção da nova Catedral durou quase um século, perturbando a sua atividade litúrgico-musical regular. Partindo dos três livros de polifonia existentes, o presente estudo analisa o património musical da Catedral durante a primeira metade do século XVII e a sua ralação com o seu contexto circundante.</p> 2020-01-30T23:17:23+00:00 Direitos de Autor (c) 2020 Herança https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/166 A inovação arquitetónica nos Ateliers de Lisboa e Oeiras, entre 1867 a 1912 2020-01-31T01:17:17+00:00 António Francisco Cota antoniofranciscocotafevereiro@gmail.com <p>No final do século XIX e início do XX foram construídos em Lisboa e Oeiras <em>ateliers</em> para trabalho, mas também para exposição e convívio. Estes foram construídos de acordo com novos conceitos espaciais apoiados no desenvolvimento das técnicas construtivas, realçados pelo controlo da luz natural. Inicialmente o ecletismo definiu arquitetonicamente estes espaços, contudo à medida que o século chegou ao fim, os projectistas portugueses conciliaram de forma inovadora referências da sua cultura com as novas correntes estéticas internacionais. Estes <em>ateliers</em> enriquecem a arquitetura portuguesa deste período, além de trazerem novas reflexões em torno de quem lá trabalhou.</p> 2020-01-30T23:13:38+00:00 Direitos de Autor (c) 2020 Herança