Herança - Revista de História, Património e Cultura https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca <p style="text-align: justify;">A<strong> Herança – Revista de História, Património e Cultura</strong> é uma revista semestral dedicada à pluralidade de temas que envolvem a História, o Património e a Cultura. Abrangerá as várias vertentes do conhecimento com especial relevo para a História, Arqueologia, Arquitetura, História da Arte, Teoria da Arte, Museologia e Museografia, Estudos Curatoriais, Inventário e salvaguarda do Património, Ciências do Património, Conservação e Restauro, Gestão e Estudos da Cultura e Turismo Cultural. Com a finalidade de divulgar estudos apoiados em perspetivas alargadas e pluridisciplinares, que se destaquem pela sua qualidade e originalidade, os artigos científicos serão publicados em português ou inglês, destinados a investigadores e profissionais da área das Ciências Sociais e Humanas em Portugal, na CPLP e na Diáspora de língua portuguesa.</p> Ponteditora pt-PT Herança - Revista de História, Património e Cultura 2184-3090 Maria Amália Vaz de Carvalho nas páginas de O Paiz (1884-1889): levantamento dos textos e notas iniciais de pesquisa https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/454 <p style="text-align: justify;">O projeto “É preciso falar sobre as ausentes: mulheres cronistas na imprensa oitocentista: Pesquisa em acervos” (UCL, Unesp, Unicamp) visa localizar, de forma sistemática, a colaboração das escritoras Maria Amália Vaz de Carvalho (1847-1921), Maria Benedita Câmara Bormann (pseudônimo Délia, 1853-1895), Emília Moncorvo Bandeira de Melo (pseudônimo Carmen Dolores, 1852–1910) e Júlia Lopes de Almeida (1862-1934) na imprensa do Rio de Janeiro no período da chamada <em>Belle Époque</em>. A pesquisa parte do acervo digital de periódicos disponíveis na Hemeroteca Digital Brasileira, da Fundação Biblioteca Nacional, e, além de ter em vista a organização de edições digitais de livre acesso, pretende reavaliar a presença feminina na imprensa de fins do Oitocentos, de modo a contribuir para dar visibilidade e construir novas narrativas acerca das vozes femininas, em grande parte, ainda silenciadas. O artigo detém-se na trajetória de Maria Amália até sua entrada em <em>O Paiz</em>, apresenta a publicação na qual a escritora contribui por cinco anos, ainda que não de maneira continua, e em cujas páginas esteve presente quase uma centena de vezes. Objetiva-se apresentar os traços gerais desse volumoso conjunto de textos de gêneros diversos – crônicas, contos, ensaios e resenhas de livros – e indicar algumas de suas múltiplas possibilidades analíticas. Destaque-se que se trata de um primeiro ensaio, uma vez que a pesquisa encontra-se em seus primórdios.</p> Tania Regina de Luca Ana Cláudia Suriani da Silva Direitos de Autor (c) 2021 Heranca - Revista de Historia, Patrimonio e Cultura 2021-11-08 2021-11-08 10.29073/heranca.v5i1.454 Mary Shelley e a Sibila de Cumas https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/455 <p><strong>Resumo</strong></p> <p>No ano de 1826 a escritora inglesa Mary Shelley publica o romance apocalíptico <em>The Last Man</em>, contando a história de como a humanidade fora dissipada por uma peste em 2100, restando apenas um sobrevivente que, imune à pandemia, resolve deixar registrado em forma de diário, a história do fim do mundo como ele o conhecia. Ao apresentar o relato que levou à escritura da narrativa, Mary Shelley nos coloca em contato com o mito da Sibila de Cumas, revelando ter encontrado o manuscrito que indicava os fatos que ela narrou em seu romance. Este artigo visa discutir a importância do texto introdutório do romance, considerando as molduras estabelecidas entre o mito da Sibila e as capacidades criadoras de Shelley.</p> Janile Soares Direitos de Autor (c) 2021 Herança - Revista de História, Património e Cultura 2021-11-14 2021-11-14 10.29073/heranca.v5i1.455 Divórcio? : Andradina de Oliveira e a voz transgressora na virada do século XIX- XX https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/475 <p>O trabalho busca apresentar o romance tese <em>Divórcio?</em> escrito pela gaúcha Andradina de Oliveira que trouxe o tema ainda em 1912. A narrativa traz ao centro do debate valores doutrináros-moralistas que envolvem casamentos mal-sucedidos na sociedade brasileira impostos para preservar a posição das famílias da elite. Destacamos as perdas afetivas, a discriminação e a opressão no contexto do patriarcado que faculta à mulher a regeneração de Eva pecadora como imagem Redentora no constitutivo da sociedade de então. A importância do resgate da obra se dá pela relevância da luta por direitos que estão em pauta na sociedade atual onde ressurgem discursos de retorno a padrões mais tradicionais.&nbsp;&nbsp;</p> Rosa Gautério Direitos de Autor (c) 2021 Herança - Revista de História, Património e Cultura 2021-11-15 2021-11-15 10.29073/heranca.v5i1.475 A escrita de Andradina de Oliveira: testemunho de época https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/479 <p>Este artigo discorre sobre a escritora oitocentista sul-rio-grandense Andradina de Oliveira, que se notabilizou não somente pela qualidade e pluralidade de sua produção intelectual, como também pela defesa aos direitos femininos que empreendeu por meio de sua escrita. Pouco reconhecida pela historiografia literária oficial, teve seu nome referendado em revistas e jornais de então, dos quais também participou como colaboradora, entre eles o <em>Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro</em> (Lisboa), importante anuário que concorreu para o desenvolvimento da literatura sul-rio-grandense, divulgando escritos de autores oitocentistas.</p> Salete Rosa Pezzi dos Santos Direitos de Autor (c) 2021 Herança - Revista de História, Património e Cultura 2021-11-15 2021-11-15 10.29073/heranca.v5i1.479 Nélida Piñon: na ladeira íngreme da crítica, um sobe e desce de opiniões https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/461 <p>Autora de uma bibliografia extensa, Nélida Piñon é ainda uma escritora ainda pouco estudada e pouco citada nos estudos literários brasileiros, oscilando entre períodos de maior fulgor e outros de menor brilho. A crítica movimenta-se em um sobe e desce de opiniões; as histórias da literatura brasileira, publicadas a partir da década de 1960, praticamente desconhecem seu nome. Este texto analisa os principais comentários críticos e procura levantar hipóteses para o silenciamento sobre a obra de Nélida Piñon</p> <p>&nbsp;</p> Maria Eunice Moreira Direitos de Autor (c) 2021 Herança - Revista de História, Património e Cultura 2021-11-14 2021-11-14 10.29073/heranca.v5i1.461 Anália Vieira do Nascimento, Uma Portoalegrense no Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/459 <p>O propósito deste artigo é apresentar a escritora porto-alegrense Anália Vieira do Nascimento, destacando sua contribuição para o <em>Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro,</em> editado em Portugal entre 1851 e 1932. Anália, uma das onze senhoras gaúchas que participaram do <em>Almanaque,</em> teve uma atuação proeminente, tendo em vista que publicou durante 22 anos, de 1871 a 1893. Além da exposição de dados biográficos, procede-se à exemplificação das diferentes modalidades de textos publicados: passatempos (charadas, enigmas e logogrifos), poemas líricos e o único texto em prosa. Também são comentadas algumas epígrafes de diferentes produções, como também a recepção que a obra da autora teve em âmbito nacional e internacional.</p> Cecil Jeanine Albert Zinani Direitos de Autor (c) 2021 Herança - Revista de História, Património e Cultura 2021-11-28 2021-11-28 10.29073/heranca.v5i1.459 Escrita femina e engajamento social no sul do Brasil: as irmãs Melo e luta pelos desvalidos https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/480 <p>Ao longo do século XIX, a escrita feminina teve uma etapa de ampla difusão ao longo do território brasileiro. Enfrentando todo o tipo de obstáculos, essas mulheres escritoras promoveram atividades literárias diversificadas, servindo-lhes a imprensa como veículo essencial de divulgação de suas produções. Tal ação no sul do Brasil teve o destaque das irmãs Revocata Heloísa de Melo e Julieta de Melo Monteiro, as quais, em meio às lides literárias e jornalísticas, desempenharam importantes papéis na sustentação de bandeiras de luta por causas sociais e políticas. Esta pesquisa tem por objetivo abordar a ação social das autoras junto ao Clube Beneficente de Senhoras.</p> Luciana Gepiak Direitos de Autor (c) 2021 Herança - Revista de História, Património e Cultura 2021-11-28 2021-11-28 10.29073/heranca.v5i1.480 As Pensadoras vol. 01 https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/456 <p>O livro As Pensadoras vol. 1, é o projeto editorial de estreia recentemente no Brasil (Editora As Pensadoras, 200 páginas, disponível em formato físico e e-book), que reúne nove artigos, com apresentação assinada pela Coordenadora pedagógica da Escola As Pensadoras e fundadora da editora As Pensadoras.</p> Rita de Cássia Fraga Machado Direitos de Autor (c) 2021 Heranca - Revista de Historia, Patrimonio e Cultura 2021-10-21 2021-10-21 Um acerto de contas com o passado das escritoras do Rio Grande do Sul https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/483 Mauro Nicola Póvoas Direitos de Autor (c) 2021 Heranca - Revista de Historia, Patrimonio e Cultura 2021-10-21 2021-10-21 Museus, lugares de autenticidade? https://revistas.ponteditora.org/index.php/heranca/article/view/482 Maria Isabel Roque Direitos de Autor (c) 2021 Heranca - Revista de Historia, Patrimonio e Cultura 2021-10-21 2021-10-21