IMPACTO DA REABILITAÇÃO NA MELHORIA DA RESILIÊNCIA DE EDIFÍCIOS ESCOLARES PÚBLICOS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria João Falcão Silva
https://orcid.org/0000-0002-3723-0948
Filipa Salvado
https://orcid.org/0000-0003-3321-709X
Nuno Almeida
https://orcid.org/0000-0001-7024-2679

Resumo

A segurança das pessoas e o elevado valor dos bens construídos e dos seus conteúdos, bem como a sua criticidade na satisfação das necessidades básicas e bem-estar das comunidades, sempre suscitaram preocupações quanto à sustentabilidade, resiliência e fiabilidade do ambiente construído. A resiliência dos ativos construídos está frequentemente ligada à formulação de políticas e estratégias para o ambiente construído após eventos catastróficos ou traumáticos. É um conceito multidimensional que abrange aspetos físicos, infra-estruturais, ambientais, económico-sociais, regulamentares e organizacionais. O presente artigo apresenta os resultados da aplicação de um sistema de classificação de resiliência assente numa abordagem holística, abrangente e sistemática, a diferentes tipos de edifícios, em qualquer fase do seu ciclo de vida. Em particular, analisa a resiliência de edifícios de escolas públicas portuguesas a diferentes riscos do ponto de vista da engenharia, nomeadamente no que diz respeito à segurança estrutural e de manutenção do edifício. Os edifícios escolares analisados, construídos ao longo do século XX, tiveram intervenções alargadas, entre 2009 e 2011, no âmbito de um programa nacional de investimento público. Os edifícios foram analisados antes e após intervenções de reabilitação. Relativamente a indicadores económicos e a investimento potencial, nota-se que as intervenções de reabilitação apresentam impacto positivo na classificação da resiliência.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Falcão Silva, M. J., Salvado, F. ., & Almeida, N. (2023). IMPACTO DA REABILITAÇÃO NA MELHORIA DA RESILIÊNCIA DE EDIFÍCIOS ESCOLARES PÚBLICOS. RAE - Revista De Ativos De Engenharia, 1(1), 69–80. https://doi.org/10.29073/rae.v1i1.658
Secção
Artigos

Referências

Almeida, N. (2011). “Modelo de gestão técnica de edifícios baseada no desempenho e no risco”. Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa.

Atrachali, M., Ghafory-ashtiany, M., Amini-hosseini, K., (2019). “Toward quantification of seismic resilience in Iran: Developing an integrated indicator system”. International Journal Disaster Risk Reduction, vol. 39, p. 101231. https://doi.org/10.1016/j.ijdrr.2019.101231.

Bernard, J.; Westergaard, H. (2011). Concrete durability in marine environments. Proceedings of 9th International Conference on Durability, 7, pp. 215-223.

Burroughs, S. (2017). Development of a Tool for Assessing Commercial Building Resilience. University of Canberra, ACT 2601 Australia. https://doi.org/10.1016/j.proeng.2017.04.263.

Cerè, G., Rezgui,Y., Zhao, W., (2019). Urban-scale framework for assessing the resilience of buildings informed by a Delphi expert consultation. International Journal Disaster Risk Reduction, vol. 36, P.101079. https://doi.org/10.1016/j.ijdrr.2019.101079.

Cutter, S., Boruff, B., Shirley, W., (2003). Social Vulnerability to Environmental Hazards. Social Science Quarterly, Vol. 84(2).

Cutter, S., Mitchell, J., Scott, M., (2000). Revealing the Vulnerability of People and Places: A Case Study of Georgetown County, South Carolina. Annals of the Association of American Geographers, vol.90(4), p. 713–737.

Duarte, M., Almeida, N., Falcão Silva, M.J., Rezvani, S. (2021a). Resilience rating system for buildings against natural hazards. 15WCEAM, Brasil, Paper ID 42.

Duarte, M. (2021). de Sistema de classificação de resiliência para edifícios perante riscos naturais. Dissertação de mestrado em engenharia civil, Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa.)

Duarte, M., Almeida, N., Falcão Silva, M.J., Rezvani, S. (2021b) Resilience rating system for buildings against natural hazards, 15 WCEAM, Brasil, Paper ID 94

Duarte, M., Almeida, N., Falcão Silva, M.J., Salvado, F. (2021c). Resilience of constructed assets against natural extreme events from the engineering standpoint. CEES 2021. Coimbra, Portugal.

ISO 11863 (2011). Buildings and building-related facilities, Functional and user requirements and performance: Tools for assessment and comparison. Lisboa: IPQ.

ISO/TR 22845 (2020). Resilience of buildings and construction works. Lisboa: IPQ.

NP ISO 31000 (2018). Gestão do risco – linhas de orientação. Lisboa: IPQ.

Parque Escolar (2010). Liceus, Escolas Técnicas e Secundárias. Lisboa: Parque Escolar EPE, Direção-Geral de Projeto - Area de Edificações.

Peer review – Report Portugal 2019. (2019) European Union Civil Protection.

Salvado, F. (2019). Custo do ciclo de vida na gestão de edifícios. Modelo de apreciação económica aplicado a portefólios de edifícios escolares públicos. Tese de Doutoramento em Engenharia Civil, Departamento de Engenharia Civil e Arquitetura, Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa.

Sarhosis, V., Dais, D., Smyrou, E. et al. (2019). Evaluation of modelling strategies for estimating cumulative damage on Groningen masonry buildings due to recursive induced earthquakes. Bulletin of Earthquake Engineering, 17, 4689–4710. https://doi.org/10.1007/s10518-018-00549-1.

VRS (2017). Voluntary resilience standards. Meister Consultants Group, Inc.