A Perceção de grupos de adultos com mais de 65 anos sobre intervenções que visam a aprendizagem ao longo da vida: estudo exploratório.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marisa Viegas
https://orcid.org/0000-0002-2981-9197

Resumo

Enquadramento: A participação em contextos de aprendizagem ao longo da vida apresenta benefícios para o envelhecimento, como o bem-estar. Estes benefícios resultam do convívio entre as pessoas, do estímulo cognitivo desencadeado pela aprendizagem, e dos laços sociais daí resultantes.


Objetivos: Explorar as perceções de adultos com mais de 65 anos acerca da aprendizagem ao longo da vida em três contextos (Ginásio Mental, Universidade Sénior e Casa de Repouso) para compreender: a) os significados que retiram das aprendizagens em idade adulta mais avançada e b) de que forma a participação em atividades promotoras de aprendizagem contribui para o seu bem-estar físico, mental e social.


Método: Através de um estudo exploratório qualitativo transversal, foram organizados três grupos focais, que envolveram um total de 29 participantes, para recolher as perceções sobre a aprendizagem. Recorreu-se à observação participada e a um questionário sociodemográfico para analisar características e perceções adicionais. Os relatos foram agrupados nas categorias de bem-estar físico, psicológico e social.


Resultados: O estudo salienta os benefícios de bem-estar sentidos em cada um dos grupos. A perceção de bem-estar nos grupos do Ginásio Mental e da Universidade Sénior envolve as dimensões física, psicológica e social. A perceção de bem-estar no Grupo da Casa de Repouso é descrita apenas nas dimensões psicológica e social. A dimensão social é descrita em função da qualidade da relação dos profissionais com os participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Viegas, M. (2022). A Perceção de grupos de adultos com mais de 65 anos sobre intervenções que visam a aprendizagem ao longo da vida: estudo exploratório. JIM - Jornal De Investigação Médica, 3(2), 123–143. https://doi.org/10.29073/jim.v3i2.583
Secção
Artigos

Referências

Antunes, M. da C. P., & Macedo, A. C. (2021). O papel da educação não formal (de adultos) na promoção do envelhecimento bem-sucedido. Educação e Pesquisa, 47, 1–19. https://doi.org/10.1590/s1678-4634202147228938

Boulton-Lewis, G. M. (2010). Education and learning for the elderly: Why, how, what. Educational Gerontology, 36(3), 213–228. https://doi.org/10.1080/03601270903182877

Dias, S., & Gama, A. (2019). Introdução à Investigação Qualitativa em Saúde Pública (Edições Almedina (ed.)).

Direção Geral da Saúde. (2017). Estratégia Nacional para o Envelhecimento Ativo e Saudável - 2017-2025. In Direção-Geral de Saúde. https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/07/ENEAS.pdf

Iñiguez-Berrozpe, T., Elboj-Saso, C., Flecha, A., & Marcaletti, F. (2020). Benefits of Adult Education Participation for Low-Educated Women. Adult Education Quarterly, 70(1), 64–88. https://doi.org/10.1177/0741713619870793

Jenkins, A., & Mostafa, T. (2015). The effects of learning on wellbeing for older adults in England. Ageing and Society, 35(10), 2053–2070. https://doi.org/10.1017/S0144686X14000762

Manninen, J., & Meriläinen, M. (2011). Benefits of Lifelong Learning: Bell Survey Results. http://www.bell-project.eu/cms/wp-content/uploads/2014/06/BeLL-Survey-results.pdf

OECD. (2021a). Ageing and long-term care. In Health at a Glance 2021: OECD indicators (pp. 217–38). OECD Publishing.

OECD. (2021b). Education at a Glance 2021: OECD Indicators. OECD Publishing. https://doi.org/https://doi.org/10.1787/b35a14e5-en

Panitsides, E. A. (2014). Lifelong Learning and Wider Benefits: A Three Level Qualitative Analysis. The International Journal of Adult, Community, and Professional Learning, 20.

Pocinho, R., & Santos, G. (2015). Perceções e ajustamentos dos Professores de Universidades Seniores nos contextos educacionais com pessoas idosas em Portugal. Sinética: Revista Electrónica de Educación.

Sørensen, K., Van Den Broucke, S., Fullam, J., Doyle, G., Pelikan, J., Slonska, Z., & Brand, H. (2012). Health literacy and public health: A systematic review and integration of definitions and models. In BMC Public Health (Vol. 12, Issue 1). https://doi.org/10.1186/1471-2458-12-80

The Marmot Review. (2010). Fair society, healthy lives: The Marmot Review. In Strategic review of health inequalities in england post-2010 (Vol. 126, Issue SUPPL.1). https://doi.org/10.1016/j.puhe.2012.05.014

Tokuhama-Espinosa, Tracey Nouri, A. (2020). Evaluating what Mind, Brain, and Education has taught us about teaching and learning. ACCESS: Contemporary Issues in Education, 40((1)), 63–71. https://doi.org/https://doi.org/10.46786/ac20.1386

UNESCO. (2019). 4th Global Report on Adult Learning and Education: Leave No One Behind - Participation, Equity And Inclusion. UNESCO Institute for Lifelong Learning. http://www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/recordDetail?accno=ED540497

United Nations, Department of Economic and Social Affairs, P. D. (2019). World Population Ageing 2019. In World Population Ageing 2019: Highlights. United.

Vaz de Almeida, C. (2020). Literacia em saúde e capacitação dos profissionais de saúde: o modelo de comunicação em saúde ACP. Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde.

Vaz de Almeida, C., Fernandes, J., & Mendes, F. (2021). A percepção e o valor atribuído pela pessoa idosa integrada em universidade sénior, sobre a qualidade dos serviços prestados pela saúde. JIM, 2, 015–035. https://doi.org/10.29073/jim.v2i2.427

World Health Organization. (2002). Active Ageing: A Policy Framework. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/67215/WHO_NMH_NPH_02.8.pdf?sequence=1&isAllowed=y

World Health Organization. (2015). World report on Ageing and Health.

Zeki Al Hazzouri, A., Elbejjani, M., Chahine, M. A., Sadana, R., & Sibai, A. M. (2021). Late-life learning and health: challenges, opportunities, and future directions. The Lancet Healthy Longevity, 2(10), e613–e614. https://doi.org/10.1016/s2666-7568(21)00207-5