A Importância da Literacia em Saúde na Gestão do Regime Terapêutico: Perceções, Dificuldades e Estratégias

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sandra Esteves
https://orcid.org/0000-0003-3865-3042

Resumo

Introdução: A Gestão do Regime Terapêutico (GRT) é um tipo de comportamento de adesão à toma da medicação. A população (idosa) não possui habilidades necessárias para entender e tomar decisões sobre cuidados de saúde ou seguir instruções acerca do uso do medicamento. Os utentes com baixos níveis de Literacia em Saúde (LS) revelam enormes dificuldades em compreender o uso do medicamento e a indicação terapêutica. Estes comportamentos podem indiciar a troca de medicação, aumento de erros na toma e dosagem. A implementação de estratégias educativas favorece a capacitação do utente no acesso à informação, compreensão e aplicação nas tomadas de decisão, uma adequada e segura adesão à terapêutica.


Objetivos: Descrever a relação da evidência científica da GRT com as perceções e dificuldades que os utentes possuem em contexto real e quais as estratégias que usam para gerir a sua medicação.  


Resultados e discussão: Os resultados obtidos foram transversais a estudos internacionais, sendo que os utentes com baixos níveis de LS têm maior probabilidade de interpretar erroneamente rótulos do medicamento, comprometendo a sua segurança.


Conclusões: O uso correto de informação acerca do medicamento promove maiores níveis de LS: adesão, capacitação dos utentes a uma adequada e segura GRT.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Esteves, S. (2022). A Importância da Literacia em Saúde na Gestão do Regime Terapêutico: Perceções, Dificuldades e Estratégias. JIM - Jornal De Investigação Médica, 3(2), 47–55. https://doi.org/10.29073/jim.v3i2.673
Secção
Artigos

Referências

Almeida, C. (2020). O contributo das competências de comunicação dos médicos e enfermeiros para a literacia em saúde: O modelo ACP – Assertividade (A), Clareza (C) e Positividade (P) na relação terapêutica. [Acesso em agosto 2022]. Disponível em https://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/20901

Belim, C; Vaz de Almeida C. (2018) Communication Competences are the Key! A Model of Communication for the Health Professional to Optimize the Health Literacy – Assertiveness, Clear Language and Positivity. Journal of Healthcare Communications:3. ISSN 2472-1654, 1-13.

Colorado Health Outcomes Program (2015). AHRQ Health Literacy Universal Precautions Toolkit. Aurora: Agency for Healthcare Research and Quality.

Feliz, J. (2020). Reconciliação terapêutica no processo e capacitação dos profissionais de saúde com vista a uma maior literacia em saúde. In C. V. Almeida, K. L. Moraes & V. V. Brasil (Coords.). 50 Técnicas de literacia em saúde na prática. Um guia para a saúde (Vol. 2, pp. 151-156). Alemanha: Novas Edições Académicas.

Galvão C. (2006). O idoso polimedicado – estratégias para melhorar a prescrição. Rev Port Clin Geral, 22 (6), 747-52.

Haywood, A; Glass, D. (2016). Evidence of Stability of Medicines Repackaged in Compliance Aids: A Review. Curr Drug Saf, 11(1), 69-77. [Acesso em julho de 2022]. Disponível em www.eurekaselect.com/135205/article

Johnson, J; Moser, L; Garwood, C. (2013). Health literacy: A primer for pharmacists. Copyright ©, American Society of Health-System Pharmacists, Inc. All rights reserved. 1079-2082/13/0601, 949-955. DOI 10.2146/ajhp120306

Nunes, J.M. (2010). Comunicação em contexto clínico. Lisboa. [Acesso em agosto 2022]. Disponível em https://www.mgfamiliar.net/_literature_41723/comunicacao-em-contexto-clinico

Ordem dos Enfermeiros (OE) (2011). Estabelecer parcerias com os indivíduos e as famílias para promover a adesão ao tratamento. Catálogo da Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem (Cipe ®). Lisboa: OE.

Sorensen, K.; Broucke, S.V.; Fullam, J.; Doyle, G.; Pelikan, J.; Slonska, Z. et al (2012) Health literacy and public health: A systematic review and integration of definitions and models. BMC Public Health, 12, 80.

Thakkar J, Kurup R, Laba TL, Santa K, Thiagalingam A, et al. (2016). Mobile telephone text messaging for medication adherence in chronic disease. JAMA Internal Medicine, 176 (3), 340-349.

World Health Organization (2011) Adherence To Long Term Therapies. Evidence for action. WHO.

World Health Organization (2003) Adherence To Long Term Therapies. Evidence for action. Geneva: WHO.