A PROBLEMÁTICA DA (IN) COMPETÊNCIA DOS TRIBUNAIS ARBITRAIS NA EXECUÇÃO DE SUAS SENTENÇAS FACE À JURISDIÇÃO ADMINISTRATIVA EM MOÇAMBIQUE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Mutela Mendes Rafael Supinho
https://orcid.org/0000-0003-3145-952X

Resumo

A Lei n.º 7/2014 de 28 de Fevereiro tal como a anterior legislação atinente ao processo administrativo Contencioso trouxeram consigo a figura dos tribunais arbitrais no contexto dos litígios emergentes da relação jurídico-administrativo. O presente estudo, nos propusemos a estudar sobre “Os tribunais Arbitrais e sua Efetivação Na Jurisdição Administrativa no Direito Moçambicano” objetivando aferir se os tribunais Arbitrais são competentes para Executar de suas decisões, face à Jurídica Administrativa. Tal como preconiza a lei, as decisões proferidas pelos Tribunais Administrativos, do Tribunal Administrativo da Cidade de Maputo, e dos tribunais administrativos províncias, são executadas pela própria Jurisdição Administrativa, não podendo outras jurisdições realizá-las em seu nome. O legislador permite que os sujeitos da relação jurídico-administrativos possam recorrer ao tribunal arbitral para dirimir litígios emergentes dessa relação mediante acordo arbitral, sendo daí excluída a possibilidade de recurso a outros jurídicos, salvo em matéria de recurso. Embora assim, de forma paradoxa o legislador dispõe no artigo 204 da LPAC que “o recurso ao tribunal exclui o recurso a outros tribunais”, o mesmo determina por outro lado no n.º 2, do Art.224 que a sentença arbitral tem a mesma força executiva que as sentenças da jurisdição administrativa”. Com o estudo foi possível concluir, que do ponto de vista material, os tribunais arbitrais não tem competência para executar as suas próprias decisões, e que mesmo assim, embora tal execução seja remetida a jurídica administrativa, esta não prevê as formas, sobre a marcha do processo de execução vai correr, nem tão pouco os prazos, uma vez que no processo executivo das decisões jurisdicionais, o legislador não menciona das decisões da jurisdição arbitral

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Supinho, M. M. . R. (2022). A PROBLEMÁTICA DA (IN) COMPETÊNCIA DOS TRIBUNAIS ARBITRAIS NA EXECUÇÃO DE SUAS SENTENÇAS FACE À JURISDIÇÃO ADMINISTRATIVA EM MOÇAMBIQUE. J² - Jornal Jurídico, 6(1). https://doi.org/10.29073/j2.v6i1.524
Secção
Artigos

Referências

Amade, A., Muenha, E., Duvane, E., Pascoal, J., Tamele, P. (2012). Estudos sobre Contencioso Administrativo e Constitucional Moçambicano

Brito, V. (2012). Contencioso Administrativo: Generalidades.

Figueiredo, D. (2016) Curso de Direito administrativo.

Morais, P. (2014). Manual de Direito Constitucional, 2014

Lanza, P. (2016). Direito Constitucional Esquematizado, 16a Edição

Figueiredo, D. (2016). Curso de Direito administrativo.

Guibunda, J. (2012) Duvidas em Direito Administrativo, 2ª Edição.

Gouveia, B. (2016). Direito Constitucional de Moçambique, Escolar Editora

Gouveia, B. (2016). Manuel de Direito Constitucional

Gouveia, B. (1999). Reflexões sobre a próxima revisão da Constituição Moçambicana de 1990, Minerva Central, Maputo

Timbane, T. (2012), Lições de Processo Civil – I, 1ª Edição

Pinheiro, L. (2005). Direito Comercial Internacional, Lisboa

Nazaré, P. (2015). A problemática da falta de implementação de Tribunais Arbitrais: Caso de Estudo a Cidade de Quelimane de 2009 á 2014, Quelimane.

Legislação

Lei n.˚ 1/2018, Lei de Revisão Pontual da Constituição da República de Moçambique, Boletim da República e Moçambique, Maputo, 2018.

Lei n.˚ 11/99 de 08 de julho, que aprova a Lei de Arbitragem de Moçambique, Boletim da República e Moçambique.

Lei n.˚ 6/2006, de 06 de Agosto, Lei Orgânica o Conselho Constitucional, Boletim da República e Moçambique.