A formação de comportamentos financeiros através da educação orientadora a luz da ótica dos protagonistas

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Antônia Márcia
Ruan Carlos
https://orcid.org/0000-0001-7396-8774
Rogeane Ribeiro
https://orcid.org/0000-0003-4106-3289
Alexandre Lima
https://orcid.org/0000-0002-8878-7965

Resumo

O estudo apresenta as contribuições e os direcionamentos de um projeto de educação orientado para o empreendedorismo e a formação de pensamentos que norteiam as finanças comportamentais de estudantes universitários. A pesquisa se caracterizou de maneira quantitativa, utilizando a pesquisa descritiva para subsidiá-la na análise documental. O lócus do estudo é uma Instituição de Ensino Superior no Ceará. Participaram da pesquisa alunos e professores envolvidos no projeto denominado de Feirão do Imposto, realizado há oito anos na instituição. Os dados foram coletados pelos métodos de observação participante, relato de experiências e documentos institucionais. Os dados foram analisados a partir de uma adequação da técnica de análise de conteúdo. Os resultados apontaram que os estudantes compreendem a necessidade de implantação de ações efetivas para cobrar dos poderes executivos e legislativos melhorias na oferta dos serviços públicos, no controle do aumento dos impostos e na transparência da aplicação dos recursos.Entretanto, não demonstraram influências diretamente na formação dos seus comportamentos financeiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Sousa, A. M. ., Santos, R. C. dos, Ribeiro, R. M. ., & Lima, A. O. (2021). A formação de comportamentos financeiros através da educação orientadora a luz da ótica dos protagonistas . E3 - Revista De Economia, Empresas E Empreendedores Na CPLP, 7(2), 109–131. https://doi.org/10.29073/e3.v7i2.453
Secção
Artigos
Biografias Autor

Antônia Márcia, Universidade Federal do Ceará

PhD in Business Administration from the University of Fortaleza - UNIFOR; Master's degree in Administration from the Federal University of Ceará-UFC; Specialization in Human Resources Management by Vale do Acaraú State University-UVA; Specialization in Institutional Psychopedagogy from Universidade Gama Filho. Graduation in Administration from the State University Vale do Acaraú-UVA; Graduation in Letters by the State University Vale do Acaraú-UVA.

Ruan Carlos, Centro Universitário UNIAVAN/ Universidade do Vale do Itajaí

Bacharel em Filosofia pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2006). Licenciatura Plena em Filosofia e Ciências Sociais pela Faculdade Entre Rios do Piauí - FAERPI (2018). Bacharelando em Teologia pela Faculdade Católica de Santa Catarina Católica - FACASC/ITESC (2007-2008). Especialização e MBA em Gestão Estratégica Empresarial pela Faculdade Porto das Águas - FAPAG (2012). Especialização em Metodologia de ensino de Filosofia e Sociologia pela Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras - FACEL (2018). MBA em Governança Corporativa pela UnIBF (2020). Bacharel em Administração pela Universidade - UniFCV (2018-2020). Bacharelando em Ciências Contábeis pela Universidade - UniFCV (2019-2021). Licenciatura em Pedagogia pela Centro Universitário Internacional - UNINTER.Mestrado em Administração pela UNIVALI (2015-2017). Professor no Ensino Médio na SED-SC nas disciplinas de Filosofia e Sociologia. Professor e Tutor na UniAvan no Curso de Tecnologia e Bacharelado em Administração e Contabilidade. Consultor/Docente credenciado na ENA (Ecole Nationale D'Administration - Brasil) nos cursos de graduação e especialização.

Rogeane Ribeiro, Faculdade Luciano Feijão

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA-2001). Pós-graduação em Contabilidade Gerencial Pública e Privada pela UVA (2002). Pós-graduação em Marketing pela UVA (2008). Mestrado em Gestão de Políticas Públicas e Educação Superior pela Universidade Federal do Ceará (UFC-2011). Doutora em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI. Participante do grupo de pesquisa - Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil (DGP): Núcleo de Pesquisa em Tecnologia de Gestão (NuTeG) da Universidade Vale do Itajaí - UNIVALI; Possui experiência em Gestão de Custos, Terciero Setor, Avaliação de Desempenho, Cenários Estratégicos, Capacidades (Empreendedoras, Turísticas e Estratégicas) Metodologia da Pesquisa. Atualmente é coordenadora do Curso de Administração da Faculdade Luciano Feijão - FLF

Alexandre Lima, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Doutor em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Mestre em Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (2006) e Especialista em Gestão de Organizações de Saúde (2009), além de graduado em Administração de Empresa, pela Universidade Federal do Ceará (2002). Professor Adjunto da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB. Ministra as disciplinas Contabilidade I e II, Contabilidade Pública, Matemática Financeira, Orçamento Público e Auditoria e Controladoria no Setor Público.

Referências

Araujo, G. F., & Davel, E. (2018). Educação Empreendedora, Experiência e John Dewey. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 12(4), 1-16.
Banco Mundial (2014). Financial Education Programs and Strategies: Approaches and Available Resources. Washington: World Bank Group.
Brito, N. D. (2016). Sucesso do microempreendedor individual no Brasil. (Dissertação) - Mestrado de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, São Paulo, Brasil.
Chemmanur, T. J., & Fulghieri, P. (2014).Entrepreneurial finance and innovation: An introduction and agenda for future research. Review of Financial Studies, 27(1), pp. 1-19.
Cardoso, A. M. (2017). Educação empreendedora: métodos alternativos de ensino e aprendizagem para formação do empreendedor. Campo Limpo Paulista, SP: FACCAMP.
Delors, J. (2012). Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO.
Envick, B. R. (2001). Entrepreneurship programs versus traditional business programs: understanding different needs. Journal of Entrepreneurship Education, 7(2), pp. 2-10.
Ferreira, J. K. F. S., Silva, R. F. M., & Guilherme, H. F. (2003). Um panorama evolutivo das finanças e a aplicação das finanças Comportamentais na análise de tomada de decisão dos Investidores no mercado de capitais. In: III Seminário Universidade Federal de Pernambuco de Ciências Contábeis, Recife.
Filion, L. J. (1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração, 34(2), 05-28.
Gerba, D. T. (2012). Impact of entrepreneurship education on entrepreneurial intentions of business and engineering students in Ethiopia.African Journal of Economic and Management Studies, vol. 3 No. 2.pp. 258-277.
Glacking, C., Byrd, K., & Phelan, S. (2016). Contextual Considerations in Entrepreneurial Finance Education: A Systematical Analysis of U.S. Undergraduated Courses. Academy of Entrepreneurship Journal, 22(2), pp. 13-28.
Halfeld, M., & Torres, F. F. L. (2001) Finanças Comportamentais: aplicações no contexto brasileiro. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 2, p. 64-71.
Hannon, P. D. (2006). Teaching pigeons to dance: Sense and meaning in entrepreneurship education. Education + Training, 48(5), pp. 296-308.
Hill, L. A., Conger, J. A., & Read, D. A. (2010). Are You a High Potential? Harvard Business Review, 1-7., 2010
Nurseto, T. (2010). Pendidikan Berbasis Entrepreneur. Journal Pendidikan Akuntansi Indonesia, vol. 8, n. 2, p. 25-41.
Khan, E. A., Mohammad, S., & Alam Nur, M. (2010). Factors Affecting the Growth of Entrepreneurship in Small-Scale Business. Business Review, 5(1), pp. 33-37.
Krakauer, P. V. C. (2014). Ensino de empreendedorismo: estudo exploratório sobre a aplicação da teoria experiencial. (Tese (Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo - USP. São Paulo, São Paulo, Brasil.
Krakauer, P. V. C. (2011). A utilização das informações do ambiente no processo de decisão estratégica: estudo com empresários brasileiros e americanos de pequenas e médias empresas. 137p. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de economia, administração e contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Kurniawan, R. (2013). Pengaruh Penerapan Model Pembelajaran Teaching Factory 6Langkah (TF-6M) dan Prestasi Belajar kewirausahaan Terhadap MinatWirausaha. Journal Pendidikan Teknologi Kejuruan, vol. 10, n. 1, pp. 57-66.
Libâneo, J. C.(2013). Didática. São Paulo: Cortez, 2013.
Lima, E., Lopes, R. M. A., Nassif, V., & Silva, D. (2011). Intenções e Atividades Empreendedoras dos Estudantes Universitários – Relatório do Estudo GUESSS Brasil 2011. Grupo APOE – Grupo de Estudo sobre Administração de Pequenas Organizações e Empreendedorismo, PMDA-UNINOVE. Caderno de pesquisa, n. 2011-01. São Paulo: UNINOVE.
Lima, E., Lopes, R. M. A., Nassif, V. M. J., & Silva, D. (2015). Opportunities to Improve Entrepreneurship Education: Contributions Considering Brazilian Challenges. Journal of Small Business Management, v. 53, p. 1033-1051.
Martinelli, L. A. S., & Flemming, E. S. (2010). O Comportamento Empreendedor: a Influência das Características Emocionais na Motivação dos Indivíduos para a Ação Empreendedora. In: XXXIV Encontro da ANPAD.
Matias, M. A., Colares, A. C. V., Rocha, P. M., & Carvalho Junior, L. E. (2013). O ensino de empreendedorismo nos cursos de graduação em ciências contábeis. Revista Catarinense da Ciência Contábil, v. 12, n. 35, p. 63-78.
Minayo, M. C. S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8 ed. São Paulo: Hucitec.
Mcclelland, D. C., & Johnson, E. W. (1984). Learning to Achieve. Glenview, Illinois: Scotti. Foresman & Co.
Mwasalwiba, E. (2010). Entrepreneurship education: A review of its objectives, teaching methods, and impact indicators. Education + Training, 52(1), pp. 20-47.
Nassif, V. M. J., Amaral, D. J., & Prando, R. A. (2012). A universidade desenvolve competências empreendedoras? Um mapeamento das práticas de ensino numa universidade brasileira. Administração: Ensino e Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 597–628.
Neck, H. M., & Greene, P. G. (2011). Entrepreneurship Education: Known Worlds and New Frontiers. Journal of Small Business Management, 49(1), pp. 55-70.
Neck, H. M., Neck, C. P., & Murray, E. L. (2018). Entrepreneurship: the practice and mindset. London: SAGE.
Hjorth, D. (2011). On provocation, education and entrepreneurship. Entrepreneurship & Regional Development, 23(1-2), 49-63.
Pompian, M. M. (2006). Behavioural finance and wealth management: Building optimal portfolios that account for investor biases. New Youk: John Wiley & Sons.
Ricciardi, V., & Simon, H. K. (2000).What is behavioural finance? Business, Education and Technology Journal, 2(2), 19.
Ritter, J. R. (2002).Behavioural Finance. Science Direct-Pacific Basim Finance Journal, 2-12.
Ross, S., Westerfield, R., Jaffe, J., & Jordan, B. S. (2008).Modern Financial Management. New York: McGraw Hill.
Rogers, S. (2011). Finanças e estratégias de negócios para empreendedores. Porto Alegre, Rio Grande do Sul: Artmed.
Rogers, P. (2007). Finanças Comportamentais no Brasil: Um Estudo Comparativo. In: 7º Congresso USP de Contabilidade e Controladoria. São Paulo. Anais.
Schaefer, R. Minello, I. F. (2016). Educação Empreendedora: Premissas, Objetivos e Metodologias. Revista Pensamento Contemporânea de Administração, v.10, n.3, Jul-Set., pp. 60-81.
Solomon, G. T., Duffy, S. E., & Tarabishy, A. (2002). The State of Entrepreneurship Education in the United States: A Nationwide Survey and Analysys. International Journal of Entrepreneurship Education, 1(1): 1-22.
Subrahmanyam, A. (2007). Behavioural finance: A review and synthesis. European Financial Management, 14(1), 12 29.
Tseng, K. C. (2006).Behavioural finance, bounded rationality, neuro-finance, and traditional finance. Investment Management and Financial Innovations, 3(4), 7, p. 18.
Tversky, A., & Kahneman, D. (1986). Rational choice and the framing of decisions. Journal of Business, v. 59, p. 251-278.
UNCTAD Secretariat (2011). “Entrepreneurship Education, Innovation and Capacity-Building in Developing Countries,” United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD), Geneva. http://unctad.org/en/docs/ciimem1d9_ en.pdf. Acesso em mai 19, 2019.
Unger, J. M., Rauch, A., Frese, M., & Rosenbusch, N. (2011). Human capital and entrepreneurial success: A meta-analytical review. Journal of Business Venturing, 26(3), pp. 341-358.
Verdinelli, M. A., Lizote, S. A., Nascimento, S., & Ramezanali, M. (2015).Relationship between personal finance and characteristics of Brazilian accounting university students. In: Proceeding of Crongress of European Academy of Management EURAM.
Vanevenhoven, J. (2013). Advances and Challenges in Entrepreneurship Education. Journal of Small Business Management.
Yamamoto, R. G. (2018) Educação Empreendedora: uma Proposição de Conteúdos de Finanças em Cursos de Graduação. (Dissertação de Mestrado). Mestrado Profissional em Administração. Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado – FECAP. São Paulo, São Pualo, Brasil.
Yoshinaga, C., Oliveira, R., Silveira, A., & Barros, L. (2008). An introduction to behavioral finance . REGE Revista De Gestão, 15(3), 25-35.
Welsh, D. B., Tullar, W. L., & Nemati, H. (2016). Entrepreneurship education: Process, methodor both? Journal of Innovation and Knowledge, 1(3), pp. 125-132.
William, B. G., Casey, J. F., & John, C. A. (2012). Financing the emerging firm. Small Business Economics, 39(3), pp. 745-761.